Estrada Beja – Quinta da Carocha em mau estado: Tecnovia terá que reparar a via

23 10 2008

Estrada que liga Beja a Quinta da Carocha em mau estado. A estrada Municipal que liga Beja à Quinta da Carocha está degradada, em particular no troço compreendido entre o Bairro de São Miguel e o entroncamento com Aldeia Nova dos Coitos, na freguesia urbana de Santa Maria da Feira.Os moradores queixam-se da situação. Quem lá tem que passar todos os dias vê-se obrigado a percorrer uma autêntica pista de obstáculos.O motivo do mau estado de conservação da via é uma exploração de saibro que está a cargo da empresa Tecnovia. A passagem consecutiva de camiões tem vindo a degradar a estrada dia após dia. António Barrocas, morador no Monte Novo à Carrascosa, dá voz ao descontentamento da população local e diz que “o pavimento que existe agora, parece asfalto do deserto”. O mesmo confirmou-nos que “a estrada da Carocha está neste estado desde o início do Verão” e que até ao momento “a situação tem vindo a piorar”, conclui António Barrocas. Confrontada sobre esta situação, a Câmara Municipal de Beja garante que a causa do mau estado da estrada “é a exploração de saibro, uma vez que aquela via não está preparada para cargas deste género”. O vereador Francisco Caixinha adianta que “a empresa tem a responsabilidade de ir reparando a estrada e, no final da obra, o que deverá acontecer entre Janeiro e Fevereiro do próximo ano, todo o troço deverá ser repavimentado”.Questionado sobre a falta sinalização de aviso de estrada em mau estado, o vereador da autarquia de Beja refere que “de facto a responsabilidade dessa situação é da Câmara” e confirma que “já estão a ser tomadas medidas no sentido de sinalizar a via”, remata o mesmo.Só no início de 2009 é que a Estrada da Carocha deverá ser repavimentada em todo o trajecto danificado. Até lá os automobilistas vão ter que fazer autênticas manobras de perícia para circular naquela estrada municipal.

Texto e Foto: NM
Anúncios




TELEPIZZA abre loja de Beja esta quinta-feira, 23 de Outubro

23 10 2008

A Telepizza abre portas esta quinta-feira. Esta é mais uma multinacional na área da restauração que se instala na capital do Baixo-Alentejo. A infra-estrutura está localizada na Rua D. Afonso III, num edifício do Parque Industrial próximo da saída par Serpa. A marca é trazida para Beja pela mão do empresário bejense Orlano Roque e surge “devido ao sucesso que outras marcas têm tido na cidade e à diversificação que existe nessa área”. O empresário avança que “a Telepizza pareceu-nos um excelente negócio, uma vez que não existia no Alentejo este conceito, então decidimos avançar com o projecto”. Questionado acerca do investimento, Orlando Roque adianta que “o investimento comporta uma vertente imobiliária e outra vertente operacional”. Sem especificar números em concreto, o mesmo diz que “foram investidos algumas centenas de milhares de Euros, mas tudo terá a sua recuperação”; conclui. A localização escolhida para a abertura da loja surge porque “existe uma maior mobilidade estacionamento, uma vez que no centro histórico isso é mais difícil”.A Telepizza conta com um total de 15 funcionários que foram seleccionados de um conjunto de 120 candidatos. A maior dificuldade prendeu-se com o facto de “muitos jovens, apesar de conduzirem ciclomotores, não licença para tal”, confidencia Orlando Roque. Quanto ao sucesso da empresa, o investidor julga que “esta vai ser uma ideia bastante acarinhada por todos, uma vez que a instalação em Beja já é conhecida há algum tempo”.Paralelamente à Telepizza, no mesmo edifício deverá surgir um ninho de empresas, levado a Cabo pela Ponto Óptimo Consultores. Orlando Roque explicou que “este projecto nasceu porque se tem notado junto dos empreendedores jovens a necessidade de conseguirem obter espaços que lhes permitisse iniciar a sua actividade e ao mesmo tempo terem uma acessoria imediata por parte das entidades que trabalham na área administrativa. O ninho de empresas permite a instalação de sete empresas e vai proporcionar diversos serviços a preços abaixo do valor de mercado”. A ideia é que no prazo de três anos de incubação os empreendedores consigam consolidar a sua actividade e depois saiam para o mercado de forma autónoma.

NM




Beja acolhe mais uma edição da Rural Beja.

16 10 2008

A cidade de Beja colhe nos próximos dias 24, 25 e 26 de Outubro mais uma edição da Rural Beja – “Feira de Outono”. Até que enfim alguem acordou! Sim, porque Feira de Santa Maria (que era em Agosto) ser em Outubro era andar desfazado no tempo.

Este ano HÁ UMA NOVIDADE! Imagine-se… AS ENTRADAS SÃO GRATUITAS! Sim, porque se assim não fosse, já ninguem lá ia…. qualquer dia ainda têm que pagar os visitantes para que os mesmos possam lá ir, porque senão… só mesmo as moscas. Nem os feirantes lhe pegam!

E o mais interessante, é que este ano os expositores pagam 50 euros para ter lá um espaço… quase dado é um facto…

Mas ok, para os interessados aqui fica o programa das festas! E é melhor do que o shampô com amaciador e condicionador! São seis feiras numa só! Tipo caramelos do Rosal em que oagas 3 levas 4!





Estrada da Carocha: Um autêntico martírio para os automobilistas!

16 10 2008

A Estrada Municipal que liga Beja à Quinta da Carocha está uma lástima! Tenho pena de quem tem que a percorrer todos os dias!
Para quem não sabe, esta estrada liga a cidade de Beja à Quinta da Carocha, passando ao lado do Bairro de São Miguel, por baixo da ponte do caminho-de-ferro da variante (zona-norte).
Depois de muitos anos de luta dos moradores para que a mesma fosse asfaltada, a autarquia lá cedeu e tratou do caso. Mas para isso, os populares tiveram que recorrer à comunicação social, nomeadamente ao extinto programa “Regiões” que era transmitido pela RTP1.
Na verdade, a obra nunca foi concluida até Quinta da Carocha, não sei se por falata de tempo ou de alcatrão. Faltou apenas asfaltar cerca de 1 quilómetro.
Nos finais dos anos 90, a Câmara Municipal de Beja, após duras críticas à Câmara ainda na gestão do então edil Carreira Marques, asfaltou o troço que liga a estrada supra-citada à Aldeia Nova dos Coitos (Bairro do Colaço). Foi sol de pouca dura!
Recentemente, quer dizer, já alguns laaaaaargos meses, houve quem descobrisse uma zona para extrair saibro, bem juinto ao entroncamento da estrada da Carocha, com o Bairro do Colaço. Começou assim o vai-vem de camiões todos os dias. Resultado: A Estrada está completamente degradada, coberta de crateras e armadilhas para quem lá circula todos os dias.
A Câmara de Beja não se dignou a colocar avisos de que a estrada está em mau estado, muito menos se digna a tentar minimizar o problema. Soluções não há à vista, por enquanto!
Arrisca-se o sr. condutor a ir a 50 km/h e a ter que fazer uma súbita travagem (é bom que tenha ABS no carro), se não quiser f…. a suspensão ou algo mais…
Com o aproximar do inverno a situação tem tendência a agravar-se.
Será que a autarquia não tem conhecimento desta situação? É que moram naquela zona várias pessoas e existem diversas empresas a operar por ali.
Prometo fotos para breve a comprovar a situação! A Culpa não pode nem deve morrer solteira!





Delegação do Sul da Estradas de Portugal fica em Beja

13 10 2008

É uma notícia exclusiva Rádio Pax. O recém-criado Centro Operacional do Sul da Estradas de Portugal vai ficar sedeado em Beja. O Centro Operacional do Sul da EP engloba os distritos de Beja, Évora e Faro. Os novos Centros Operacionais (num total de seis em Portugal) terão a seu cargo a execução de obras e fiscalização dos respectivos contratos, a conservação corrente, as inspecções de rotina e as intervenções com vista a corrigir ou a minimizar o impacto de incidentes que afectem a rede rodoviária. Manuel Monge, Governador Civil de Beja, entende que a instalação, em Beja, da Delegação do Sul da Estradas de Portugal reforça a coesão territorial do Alentejo.

Fonte: Rádio Pax




Incêndio destroi edifício do Departamento Técnico da Autarquia de Beja

6 10 2008


Um incêndio destruiu esta madrugada o edifício do Departamento Técnico da Câmara Municipal de Beja.
Um curto circuito terá estado na origem do fogo que destruiu parte do departamento técnico da Câmara Municipal de Beja. O incêndio deflagrou ao inicio da madrugada e quando os bombeiros chegaram ao local as chamas já tinham destruído grande parte do edifício onde funciona a divisão de obras públicas, gabinete jurídico e de fiscalização.
O difícil acesso a esta zona do Centro Histórico da cidade, dificultou o trabalho dos soldados da paz que só conseguiram controlar as chamas quando já passava das duas da manhã.
Uma das paredes da fachada, que ameaçava ruir, acabou por ser demolido.
Ao inicio desta manhã estavam ainda a decorrer os trabalhos de remoção de escombros.
Francisco Caixinha vereador da Câmara Municipal de Beja e responsável pela protecção civil municipal, refere que os prejuízos são bastante elevados.
No combate ás chamas estiveram 16 viaturas e 67 homens das corporações Beja, Vidigueira, Cuba, Serpa, Aljustrel, Alvito e Castro Verde.
Manuela Baganha comandante dos bombeiros voluntários de Beja. As chamas destruíram o edifício do departamento técnico da Câmara Municipal de Beja.

Texto: M. Pina

Fotos: Madalena Palma